"Portugal tinha perdido, e no primeiro dia em que acedeu ao euro, a sua independência económica. Tinha perdido a única e mais poderosa arma da sua independência económica – o escudo. A partir desse momento encontrava-se subjugado aos interesses económicos e financeiros dos mais poderosos países da UE."
Durante anos fui considerado lunático e estúpido por escrever aqui exactamente aquilo que era tabu dizer acerca do Euro.