4/29/2009

SEIS FILMES PARA PRESTAR ATENÇÃO

6 filmes para prestar atenção - por Felipe Atxa em 26 de abril de 2009 Opinião - Cultura

Em meio às dezenas de filmes de primeira linha produzidos por Hollywood anualmente, é possível selecionar alguns poucos títulos que vão na contramão da ideologia esquerdista e politicamente correta que domina, como uma praga, a cinematografia norte-americana atual.

Invasores: bela metáfora sobre o 'sono coletivo'

Em meio às dezenas de filmes de primeira linha produzidos por Hollywood anualmente, é possível selecionar alguns poucos títulos que vão na contramão da ideologia esquerdista e politicamente correta que domina, como uma praga, a cinematografia norte-americana atual.

Selecionamos abaixo 6 títulos já disponíveis em DVD no Brasil que, de alguma forma, conseguem contrastar com a abordagem habitual.

BUSCA IMPLACÁVEL

Nesta ação, Liam Neeson incorpora a sua poderosa presença de Oskar Schindler um tempero de Capitão Nascimento: ele é um ex-agente da CIA que parte na captura dos sequestradores da sua filha adolescente, em um ambiente europeu mais preocupado em contemporizar com criminosos do que em fazer justiça. Em defesa da família e de pessoas inocentes, ele trata a bandidos internacionais e terroristas – surpresa! – como eles deveriam ser tratados: à força e sem hesitação.

INVASORES

O filme é uma brilhante releitura do clássico tema dos alienígenas pacifistas que, aos poucos, vão substituindo pessoas comuns e dotadas de livre arbítrio por seus correspondentes anódinos e obedientes. Tudo em nome da “paz universal”. O enredo questiona com inteligência alguns dos paradigmas politicamente corretos e globalistas, que depois virariam palavras de ordem na atual “Era Obama” (onde vale tudo, especialmente dar carta branca para tiranos e terroristas, em nome de um suposto “multilateralismo”). Uma bela metáfora sobre o “sono coletivo” que tem tudo a ver com o momento em que vivemos.

À PROCURA DA FELICIDADE

O jovem e já clássico filme do diretor italiano Gabriele Muccino sofreu certo preconceito, especialmente pelo fato de o realizador ter sido distribuído, na Itália, pelo conglomerado de Silvio Berlusconi (como se sabe, um pecado mortal para a crítica esquerdista). Mas quem não viu ainda não pode dispensar um filme que abre com um discurso de Ronald Reagan; onde o protagonista não problematiza socialmente sua própria cor; onde profissionais do mercado financeiro não são zumbis imbecilizados pelo mercado; e, especialmente, onde hippies e impostos são os grandes vilões. Uma pequena obra-prima, inspirada por uma história real que só poderia ter acontecido nos EUA.

O ALBERGUE (I e II)

Uma franquia de horror de extrema violência esconde por trás de seus enredos aparentemente banais uma curiosa visão do fenômeno do antiamericanismo, especialmente aquele inspirado pela Europa. Aqui, estudantes americanos em viagem aos confins do Velho Continente são trocados por dinheiro pelos moradores locais, e então submetidos a toda sorte de torturas e provações. Não recomendado para pessoas de estômago fraco.

VALENTE

Este ótimo filme policial traz à tona uma questão que muito interessa aos brasileiros, e que está na pauta do dia: o dilema entre justiça e lei. Uma mulher não se conforma com o brutal e gratuito assassinato de seu marido, e parte atrás de vingança contra os perpetradores. Quando ela se depara com a possibilidade de vingança, o conflito vem à tona e ela tem de se decidir, ajudada por um policial. A pergunta que o filme propõe tem a ver com os dramas que vivemos todos os dias: o que fazer quando os braços da lei estão atados para fazer justiça, e o exercício do direito se transforma em mero jogo de aparências para não capturar indivíduos perigosos e levá-los atrás das grades?

Fonte: http://www.midiaamais.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=198&Itemid=57

4/21/2009

BERLIM DEDICA EXPOSIÇÃO A REFORMADOR JOÃO CALVINO

BERLIM DEDICA EXPOSIÇÃO A REFORMADOR JOÃO CALVINO

Diz-se que as ideias de Calvino, reformador da igreja no século 16, inspiraram a democracia moderna e o capitalismo. Hoje, 500 anos após seu nascimento, o Museu
Histórico Alemão lhe dedica exposição em Berlim.

Com mais de 360 documentos históricos, obras de arte e objetos litúrgicos, a atual mostra de Berlim é a maior exposição na Europa durante o Ano Calvino, que marca os 500 anos do reformador nascido em 10 de julho de 1509, na cidade francesa de Noyon.

A exposição tem como foco a pessoa de Calvino e sua influência na Europa. A mostra também trata de temas como expulsão, migração e minorias — assuntos problemáticos para o continente durante diferentes épocas. O próprio Calvino foi forçado a fugir da França para a Suíça em 1535, quando a tensão religiosa levou a levantes violentos contra protestantes.

Isso aconteceu numa época em que a Europa estava dominada por monarcas e a Igreja Católica tinha grande influência tanto na política quanto na sociedade civil. E fazia apenas duas décadas que o alemão Martinho Lutero havia pregado suas 95 teses na porta da Igreja do Castelo de Wittenberg, defendendo a salvação através da fé e acendendo, inadvertidamente, a centelha da Reforma Protestante.

Foi nesse contexto que Calvino desenvolveu e propagou o movimento protestante que se iniciava. Mais tarde, sua doutrina teológica ficou conhecida como calvinismo.
O nascimento do Estado sem corrupção

Em entrevista à Deutsche Welle, o teólogo católico e professor aposentado Arnold Angenendt declara que “o calvinismo influenciou decididamente a forma moderna de vida”. Segundo o teólogo, Calvino é interpretado como aquele que disse que qualquer erro é sinal de que se foi abandonado por Deus.

O calvinismo é conhecido por propagar o trabalho duro, a confiabilidade e o perfeccionismo. Angenendt explica que “a ética calvinista criou o funcionário público responsável e profissional”. Para o historiador, isso significou “o nascimento do Estado europeu”.

Um funcionário público que se comporta conforme a ética calvinista não está passível de envolvimento com a corrupção. Os países ocidentais mais influenciados por Calvino têm governos menos corruptos que seus vizinhos do Leste, afirma Angenendt.
Responsabilidades individuais

As igrejas calvinistas são caracterizadas não somente pela forte consciência ética, mas também pela organização não-hierárquica, diz em entrevista à Deutsche Welle Achim Detmers, da Igreja Luterana na Alemanha. Esta igualdade “democrática”, segundo ele, não traz somente liberdade, mas também responsabilidade.

O calvinismo não prescreve um credo universal para cada situação. Em vez disso, novas situações históricas — como o surgimento do nazismo na Alemanha dos anos de 1930 ou tempos de desigualdade econômica — requerem que fiéis leiam novamente a Bíblia e façam interpretações relevantes, diz Detmers.

A redução da influência política eclesiástica e a ênfase no papel do indivíduo são todos ensinamentos do calvinismo, que têm mais em comum com a moderna democracia europeia do que com as últimas monarquias medievais.

“Calvino defendia um democracia aristocrática. Ele defendia uma separação administrativa da Igreja e do Estado, embora quisesse assegurar que a sociedade estava embasada em princípios cristãos como Os Dez Mandamentos”, explica o teólogo alemão.

Detmers comenta que particularmente em comparação com outras doutrinas, que são organizadas mais hierarquicamente e dão menor valor à participação dos fiéis, o calvinismo oferece às sociedades “modernas” um grande potencial de inovação e reflexão.

Uma solução calvinista para a crise financeira?

O clérigo luterano adverte, no entanto, que não deve ser estabelecida uma ligação muito forte entre Calvino e o desenvolvimento da democracia moderna e do capitalismo, chamando a atenção para o papel exercido por uma série de outros fatores sociológicos e históricos neste contexto.

Se os ideais calvinistas — baseados mais no medo do que na misericórdia — tiveram uma maior influência na sociedade atual, já é uma outra questão.

Na abertura da exposição em Berlim nesta semana, o premiê holandês, Jan Peter Balkenende, salientou que a forte ética de trabalho, que é parte importante da teologia calvinista, “se transformou num sistema moral”.

À luz da atual crise econômica, seria “bom se os mercados financeiros fossem mais fortemente governados por estes princípios”, afirmou Balkenende.
Bastiões da teologia reformista

Mais de 25 milhões de pessoas fazem parte da Igreja Luterana na Alemanha, de acordo com informações da própria Igreja. Desses, dois milhões pertencem às igrejas protestantes reformadas. Outros bastiões da teologia reformista na Europa são a Suíça, a Holanda, a Hungria, a Escócia e a França.

Na Alemanha, os membros das igrejas reconhecidas pelo Estado pagam uma dízimo mensal às Igrejas Católica e Protestante. No país, a Igreja Católica conta oficialmente com 25 milhões de fiéis.

A exposição Calvinismo fica aberta até 19 de julho próximo no Museu Histórico Alemão, em Berlim.























Autora: Kate Bowen
Revisão: Soraia Vilela
Fonte: Deutsche Welle
Divulgação: www.juliosevero.com


Faça os cursos gratuitos, com certificados e pela internet de "Filosofia Reformacional”, “Administração Reformacional”, “Economia Reformacional” “Pedagogia Reformacional”, “Educação Infantil Reformada" e "Direito Reformacional" e “Namoro/Noivado/Casamento/Família Reformacional” (vários outros temas), todos focado em Aprender a Pensar com Excelência - Superando os Reducionismos do Naturalismo, Deísmo, Niilismo, Existencialismo, Securalismo, Positivismo, Panteísmo-Orientalista e Pós-Modernismo) - Solicite gratuitamente o formulário de inscrição.

SOLI DEO GLORIA / SOLA SCRIPTURA / SOLA GRATIA / SOLA FIDE / SOLUS CHRISTUS


Prof. Luis Cavalcante
Fones: (11) 3448-3124 / 9675-4019

E-mail: cavalcante@luiscavalcante.com
Site: www.luiscavalcante.com

http://sabedoriaverdadeira.blogspot.com

http://administracaoreformacional.blogspot.com

http://direitoreformacional.blogspot.com

http://economiareformacional.blogspot.com

http://iber-ipo.blogspot.com

http://luis-cavalcante.blogspot.com

4/19/2009

PROFESSORES SUÍCOS PROPÕEM MAIS AULAS "SOBRE" RELIGIÕES

Professores suíços propõem mais aulas "sobre" religiões

Legenda da foto: Nossos valores são religiosos ou universais? (RDB)Sobre o mesmo assunto

80% dos suíços se dizem religiosos

Pluralismo religioso aumenta e igrejas cristãs perdem fiéis

Suíça ganha primeira santa O ensino de valores fundamentais nas escolas suíças provoca discussão. Enquanto a Associação de Professores que dar mais peso à formação cristã, um perito adverte sobre os risco de haver um retrocesso.
O ensino de princípios fundamentais nas escolas suíças provoca discussão. Enquanto a Associação de Professores quer dar mais peso à formação cristã, um perito adverte sobre os risco de haver um retrocesso.

"Tornam-se cada vez mais freqüentes os problemas em lidar com as religiões", diz Beat Zemp, presidente da Associação Suíça de Professores (LHC), à swissinfo. Ele vê a migração como uma das razões para o aumento da heterogeneidade nas escolas.

Mas também muitas crianças suíça não pertencem mais às duas principais religiões do país: a católia e a luterana reformada. Por esse motivo, a LHC apresentou uma proposta para abordar questões religiosas e de princípios nas escolas públicas.

Ajuda concreta

Por um lado, trata-se de lembrar as bases jurídicas da liberdade religiosa. Por outro lado, essas bases geram um conflito entre o papel confessionalmente neutro das escolas de transmitir valores éticos e sistemas de valores, que questionem esses princípios.

"Liberdade religiosa e de consciência, tolerância e igualdade são valores indispensáveis à convivência e à integração", diz Zemp.

Segundo o documento, grande parte das convenções na Europa não podem ser entendidas sem conhecimento das raíses judaico-cristãs. A LCH diz que pretende ofecerer ajuda concreta aos professores quando enfrentarem problemas.

Reações positivas

"Em princípio, é correto a associação de professores lembrar que a religião faz parte da história da Suíça e assim à bagagem que todos devem receber", reforça o diretor do Instituto de Pedagogia da Universidade de Berna, Fritz Osterwalder.

Ele ressalta, porém, a necessidade de diferenciar: "Os valores que a escola querem transmitir têm origem religiosa, mas o importante para uma sociedade civil hoje é que, independentemente disso, eles possam ser partilhados. É nesse sentido que eles devem ser transmitidos".

Receios da população

A proposta da LHC foi bem recebida pelos professores, mas recebeu críticas da população. Por exemplo, que a honestidade, comportamento justo e tolerância não são valores religiosos que poderiam ser ensinados pela escola sem um tom ideológico.

Em cartas a jornais, alguns leitores do texto advertiram que a proposta da LHC seja um sinal errado para os criacionistas ou fundamentalistas religiosos. Uma crítica que Zemp rebate. "Quem afirma isso não leu a proposta", diz.

Segundo Zemp, "não se opõe com nenhuma palavra o criacionismo ao darwinismo. O texto diz apenas que as religiões também fazem parte da educação de valores. É preciso um entendimento mínimo da própria cultura e da dos outros para construir um sistema de valores supraconfessional", afirma.

Mas aqui que mora o perigo, segundo Osterwalder. "A discussão sobre um material didático usado no cantão de Berna, que fazia uma ligação estreita entre biologia e religão, mostra quanta cautela é preciso ter para não dar um passo atrás nesse assunto."

Separação entre Igreja e Estado

Para Zemp e a LHC é evidente que a separação entre Igreja e Estado deve ser mantida. "O ensino religioso, no sentido das doutrinas da Igreja, não é tarefa da escola", afirma o documento.

Visto que a convivência entre pessoas de diferentes culturas pressupõe respeito mútuo, é preciso ter um conhecimento elementar do outro. Por isso, o ensino nunca pode ser estritamente neutro.

"Nem um currículo e nem o professor isoladamente podem evitar afirmações que, no sentido amplo, têm algo de 'confessional'", escreve a Associação de Professores.

« Precisamos deferenciar entre aula sobre religião e ensino religioso. »

Beat Zemp, presidente da LCH Transmitir valores comuns

O documento recomenda que, "por isso faz sentido reservar no currículo um espaço para 'valores e religiões '". Para tanto, seria necessário ter professores especialmente qualificados.

Na Suíça, os currículos escolares são definidos em nível estadual e há diferenças entre os sistemas de ensino dos cantões.

Segundo Zemp, não se trata de dar aulas de religião e sim aulas sobre religiões, uma educação de princípios, que aponte os valores comuns das diferentes religiões".

Zemp diz que não é possível suprimir completamente as religiões das escolas por causa do choque de diferentes sistemas de valores. "Isso pode causar problemas. Por isso, é preciso pelo menos conhecer as diferentes religiões para saber porque se jejua no Ramadã ou o que acontece durante a Páscoa".

swissinfo, Cristian Raaflaub

--------------------------------------------------------------------------------
RANKINGAvaliação média dos leitores: 3,2
5/5 Stars Agradecemos pela avaliação!

--------------------------------------------------------------------------------
ComentárioFaça seu comentário Os dados são carregados

Rone Meireles , br
É interessante notar a ironia na posição do chamado "perito" em educação, uma vez que todo o sitema educacional da Suíça nasceu dentro da Igreja Cristã, inclusive o próprio conceito de escola pública, que foi estabelecido sobretudo nas nações de maioria cristã protestante. É duro ver que hoje a escola pública e os "experts" em educação se voltem contra o cristianismo, grande responsável pelo desenvolvimento educacional da europa. Isso é lamentável.

Susan , br
Eu amo a Suiça, admiro tudo que faz parte da vida dos suiços, mas acho que falta exatamente isso:respeito a Deus, menos materialismo.Um país que tem uma história religiosa tão marcante, precisa transmitir esses conhecimentos à população jovem e o sentimento de que nenhum país, por mais desenvolvido que seja, pode prescindir de Deus.

Sidineia Aparecida Durigon Felippe , br
Com a globalização ,os meios de comunicação exercem maior influência na mente ,e estes com certeza não irão divulgar assuntos que dizem respeito a religião ,nota-se porém um número maior de violência ,como podemos observar na mídia atualmente .A preocupação em que haja um retrocesso é normal ,mas para que isto não ocorra é necessario um direcionamento nas aulas de religião ,onde o objetivo deverá ser a idéia de um ser superior e não enfatizar uma religião.

Fonte: http://www.swissinfo.ch/por/capa/Professores_suicos_propoem_mais_aulas_sobre_religioes.html?siteSect=105&sid=8960994&cKey=1210660806000&ty=st

ALERTA AOS PAIS: O PERIGO DO ESTADO HOMOSSEXUALIZANTE

ALERTA AOS PAIS: O PERIGO DO ESTADO HOMOSSEXUALIZANTE



Estimados amigos

O documento anexo é um exemplo de orientações internas que professores e outros funcionários de escolas públicas estão recebendo. Esse documento é de caráter interno e inacessível aos pais.

O documento ordena claramente a aceitação total de todas as práticas homossexualis, implicando que qualquer não aceitação seja devidamente condenada.

Os professores são assim orientados a doutrinar as crianças das escolas no homossexualismo e vigiar para detectar “homofobia”. “Homofobia” para eles é qualquer atitude que não aceite o comportamento homossexual.



E se o professor detectar num aluno a ação amorosa de pais que se esforçam para ajudar um filho a sair de influências homossexuais? O professor encaminhará os pais ao Conselho Tutelar por desrespeitar a “orientação sexual” dos filhos?

*Ocultamante, sem a permissão e concordância dos pais, as escolas estão impondo sobre as crianças as opiniões do Estado e estão anulando e banindo quaisquer opiniões contrárias aos dogmas estatais.*

*Pais, acordem! O Estado os trata como inimigos. Não tratem o Estado como amigo. Cuidado com o Estado e suas intenções.*

*Como disse o falecido Presidente Ronald Reagan: “Nesta atual crise, o governo não é a solução para o nosso problema. O governo é o problema”.*



*Considerem a opção de educar seus filhos em casa:
http://www.escolaemcasa.blogspot.com/

*Julio Severo*
www.juliosevero.com


Prof. Luis Cavalcante
Fones: (11) 3448-3124 / 9675-4019

E-mail: cavalcante@luiscavalcante.com
Site: www.luiscavalcante.com

http://sabedoriaverdadeira.blogspot.com

http://administracaoreformacional.blogspot.com

http://direitoreformacional.blogspot.com

http://economiareformacional.blogspot.com

http://iber-ipo.blogspot.com

http://luis-cavalcante.blogspot.com

Faça os cursos gratuitos, com certificados e pela internet de "Filosofia Reformacional”, “Administração Reformacional”, “Economia Reformacional” “Pedagogia Reformacional”, “Educação Infantil Reformada" e "Direito Reformacional" e “Namoro/Noivado/Casamento/Família Reformacional” (vários outros temas), todos focado em Aprender a Pensar com Excelência - Superando os Reducionismos do Naturalismo, Deísmo, Niilismo, Existencialismo, Securalismo, Positivismo, Panteísmo-Orientalista e Pós-Modernismo) - Solicite gratuitamente o formulário de inscrição.

SOLI DEO GLORIA / SOLA SCRIPTURA / SOLA GRATIA / SOLA FIDE / SOLUS CHRISTUS

4/16/2009

CLODOVIL E A HOMOSSEXUALIDADE

Clodovil e a homossexualidade
Pr. Gilson Bifano

Faleceu no dia 17 de março o deputado Clodovil Hernandes, que foi uma personalidade muita conhecida no Brasil. Estilista e apresentador de televisão, ele ficou mais conhecido por suas declarações controvertidas e por assumir publicamente sua homossexualidade.

O que sempre me chamou a atenção em Clodovil não foi a sua homossexualidade, mas suas posições em relação ao movimento homossexual. Por incrível que pareça, o movimento gay nunca pode contar com Clodovil em suas campanhas e passeatas.
Certa vez ao participar de uma manifestação liderada pelo movimento gay ele foi vaiado por defender a família e ter declarado que todos deveriam buscar a Deus. Na ocasião ele até citou o valor da heterossexualidade porque sem ela ninguém ali presente teria nascido

Recentemente, uma entrevista publicada na revista Veja, feita poucos dias antes de sua morte, o reporter perguntou: “Por que o senhor não apresentou nenhum projeto defendendo o direito dos homossexuais?”

Clodovil respondeu: “Deus me livre. Quais direitos? Direito de promover passeata gay? Não tenho orgulho de transar com homem. O primeiro homem que eu vi transando com outro foi meu pai — era o meu tio, irmão da minha mãe. Eu tinha 13 anos. Foi num domingo, depois da missa. Sentei no chão e pensei: meu Deus, minha mãe não é amada por ninguém. Meu pai nunca soube que eu vi. Quando ele me perguntou dois anos depois se eu era gay, não respondi. Nunca mais se falou sobre isso lá em casa. Mas eu podia ter dito o diabo para ele”.

É por isso que o movimento gay nunca pode contar com Clodovil para defender suas nefastas posições.

É uma pena que Clodovil nunca tenha tido força para superar seus traumas familiares adquiridos na infância — traumas que tiveram um grande impacto na formação de sua sexualidade.

Foi forte ele dizer que não tinha orgulho de ter relações sexuais com homens, mas podia ter ido além e resgatar (com lutas, é claro) sua heterossexualidade. Ele procurou ver a questão heterossexual de outra forma. Quando soube que estava com câncer de próstata ele afirmou: “Acho que aquilo aconteceu como uma forma de eu tentar me redimir da minha homossexualidade”. Uma leitura errada, mas que nos abre uma janela para entender seus conflitos internos.

Quando lemos essas e outras declarações só podemos fazer crescer nossa posição de entender, amar e ajudar aqueles que lutam com as questões da homossexualidade.
Por outro lado, tais declarações nos ajudam entender o que está por detrás daqueles que vivem na homossexualidade.

Como igreja não podemos, de forma alguma, discriminar pessoas que vivem na homossexualidade, mas amá-las profundamente.

Entender questões envolvendo a homossexualidade é um dos grandes desafios da igreja nos dias de hoje. Certamente, as declarações de Clodovil hão de contribuir para uma ação da igreja, seja no processo da formação da identidade sexual como no processo de ajudar àqueles que desejam resgatar a heterossexualidade.

Fonte: ClickFamília

Leia também:
Radicais militantes homossexuais vaiam homossexual Clodovil

FILHA DO SENADOR TIÃO VIANA DO PT - Filha do senador Tião Viana (PT) gastou 14 mil reais com celular corporativo do pai

FILHA DO SENADOR TIÃO VIANA DO PT (PARTIDO DOS TRABALHADORES, PARTIDO DO LULA, PARTIDO DA DILMA, PARTIDO DO JOSÉ GENOÍNO E CUECA COM DOLÁRES, PARTIDO DO JOSÉ DIRCEU E ESQUEMA DO MARCOS VALÉRIO, PARTIDO DA LIBERAÇÃO DO ABORTO E DO HOMOSSEXUALISMO) - Filha do senador Tião Viana (PT) gastou 14 mil reais com celular corporativo do pai



O próprio senador se viu obrigado a confirmar valor, ao ser confrontado com levantamento feito pelo Estado. A conta do telefone celular do Senado que o senador Tião Viana (PT-AC) emprestou à filha em viagem de férias ao México foi de R$ 14.758,07. O valor, ocultado por Viana, corresponde a 20 dias de uso - de 2 a 22 de janeiro - e foi pago por ele após a denúncia de adversários na guerra em que se transformou o Senado com a eleição de José Sarney (PMDB-AP) para a presidência. O próprio senador, que se negara a fornecer o valor da conta, se viu obrigado, ontem, a confirmá-lo quando confrontado com levantamento feito pelo Estado.
[Me siga no Twitter! É só clicar AQUI.]
Viana insistiu na justificativa de ter agido como pai preocupado com a ausência da filha do País. "Eu cometi um erro, paguei caro por esse erro e juro que foi a única vez em que emprestei o celular. Minha decisão foi tomada por puro instinto paternal, querendo manter contato com minha filha pelo fato de que ela e uma amiga atravessaram o México em uma viagem de ônibus", disse.

Do Estado.

--------------------------------------------------------------------------------
Comentário do Censurado:

Assim fica fácil. Senador comete irregularidade passível de cassação, mas todos passam a mão na cabeça. Basta gastar e devolver o dinheiro? O que seria o cartão corporativo e os privilégios dos parlamentares, uma espécie de cheque especial? Será que o mote em Brasília agora é "conta bateu no limite? Põe na conta do papa e paga em suaves prestações a perder de vista"? Francamente.

Tags: brasilia, cartão corporativo, celular, democratas, ética, méxico, moda, partido dos trabalhadores, pmdb, psdb, pt, roupas, senado, senador, tião viana

Estamos crescendo, mas temos nossos problemas

por Augustus Nicodemus Lopes às

Como todos sabem, o Calvinismo em sua versão mais moderna (neo-Calvinismo) tem recebido atenção da mídia secular e foi até mesmo considerado pela revista TIME como uma das dez idéias que está mudando o mundo (veja a tradução aqui e um comentário sobre essa reportagem aqui). Lamentavelmente, ainda não podemos dizer que isso é verdade também no Brasil, mas talvez seja apenas uma questão de tempo...

Bom, estou aqui em Jacarta, Indonésia, onde posso ver ao vivo e em cores a pujança da fé Reformada (que estou usando aqui como sinônimo de calvinismo) no mundo todo.

Vim participar da reunião da World Reformed Fellowship, da qual a minha denominação, a IPB, é membro fundador, para falar numa conferência sobre educação teológica, para dar uma palestra num encontro sobre os 500 anos de Calvino e para dar aulas de interepretação bíbica no Instituto Reformado, um seminário da Igreja Reformada de Jacarta.

Já tivemos a conferência sobre educação teológica e estamos no meio da reunião da WRF. Ontem começou a conferência sobre Calvino. Durante a conferência tivemos pastores, teólogos e líderes reformados de várias partes do mundo falando sobre a situação da fé Reformada na América Latina, Brasil, África do Sul, Coréia, China, Indonésia, Sri Lanka, Índia, Europa (vários países), Estados Unidos, Austrália, entre outros. Alguns pontos me chamaram a atenção, que coloco aqui nessa breve postagem.

Primeiro, o crescimento fenomenal do Cristianismo na Ásia e com ele, a fé Reformada. Só na China, assim nos informou um teólogo reformado chinês, Y. Carver, há perto de 100 milhões de cristãos, e esse número vem crescendo cada vez mais rápido. A grande maioria dessas igrejas é em casas e elas não são reconhecidas pelo governo. Há uma necessidades desesperadora de treinamento teológico mínimo para os líderes dessas casas-igrejas. O mesmo fenômeno ocorre no Vietnã, Cambodja e outros países mais próximos da China. Aqui mesmo na Indonésia, país de maioria muçulmana, a fé reformada tem crescido de forma impressionante. Só para dar um exemplo, estou escrevendo da Katedral Mesias (Catedral do Messias), provavelmente a maior igreja cristã da Indonésia (ver foto acima), com um templo para 5 mil pessoas (vou pregar aqui no domingo que vem, embora num templo menor onde o culto é em inglês). Na cúpula do templo estão gravados na abóbada os cinco slogans da Reforma (sola Scriptura, sola gratia, sola fide, solus Christus, soli Deo gloria) de forma a poderem ser lidos de uma grande distância por todos que passam nas ruas e avenidas próximas dessa mega igreja. O pastor Stephen Tong, que fundou esse trabalho e construiu essa igreja, é Reformado firme, pregador apaixonado, de coração pastoral.

Isso me leva ao segundo ponto. Ouvi de vários obreiros, líderes, pastores de países asiáticos que nós, Reformados no ocidente, nos tornamos intelectualizados, esfriamos no fervor e na fé, construimos cercas de proteção em torno de nós mesmos e nos isolamos do mundo. Tive que concordar, com o coração compungido, que aquilo era verdadeiro com respeito a vários reformados no Brasil. Há exceções, sim -- seria muito injusto dizer que todos os reformados no Brasil são intelectualizados, frios na fé e desinteressados em evangelismo e missões. Essa semana estive com autênticos reformados cheios de fé, zelo, fervor e paixão pela obra missionária, pela plantação de novas igrejas e pelo avanço do Reino no mundo. Mais uma comprovação, para mim, de algo que eu já sabia: não existe contradição entre a fé reformada e a prática intensa e fervorosa da piedade bíblica.

Um outro ponto. Um líder de um desses países onde o Cristianismo é perseguido contou-nos que uma alta autoridade teria dito aos seus subordinados que se perseguissem o Cristianismo, ele cresceria e se multiplicaria. Que era melhor deixar os cristãos em paz, pois eles terminariam por brigar entre si mesmos e se destruiriam. Quão verdadeiras são essas palavras, lamentavelmente!

Em resumo. A fé reformada cresce rapidamente em todas as partes do mundo. E com ela, vêm alguns dos pecados que costumam acompanhar os calvinistas, como intelectualismo e divisionismo. Não precisamos cair nesses pecados. Podemos aprender com a história.


Prof. Luis Cavalcante
Fones: (11) 3448-3124 / 9675-4019

E-mail: cavalcante@luiscavalcante.com
Site: www.luiscavalcante.com

http://sabedoriaverdadeira.blogspot.com

http://direitoreformacional.blogspot.com

http://economiareformacional.blogspot.com

http://iber-ipo.blogspot.com

http://luis-cavalcante.blogspot.com

Faça os cursos gratuitos, com certificados e pela internet de "Filosofia Reformacional”, “Administração Reformacional”, “Economia Reformacional” “Pedagogia Reformacional”, “Educação Infantil Reformada" e "Direito Reformacional" e “Namoro Reformacional” (vários outros temas), todos focado em Aprender a Pensar com Excelência - Superando os Reducionismos do Naturalismo, Deísmo, Niilismo, Existencialismo, Securalismo, Positivismo, Panteísmo-Orientalista e Pós-Modernismo) -

Solicite gratuitamente o formulário de inscrição.

SOLI DEO GLORIA / SOLA SCRIPTURA / SOLA GRATIA / SOLA FIDE / SOLUS CHRISTUS

Paul Washer - O que é Salvação (Em Dois Minutos)

Association of Biblical Counselors - http://christiancounseling.com

Narth - National Association For Research & Therapy of Homosexuality

The Association of Christian Therapists - www.ACTheals.org

Christian Counseling & Educational Foundation - http://www.ccef.org

Society for Christian Psychology - http://christianpsych.org

Pela Proibição Urgente da Droga Cigarro no Brasil

História da música "Amazing Grace (Maravilhosa Graça)"

ANTES DE QUALQUER COISA, OUÇA ESTE VÍDEO E MEDITE!

OS PURITANOS

IPB

APMT

Plantango Igrejas Presbiterianas pelo Brasil